Desenvolvimento Nordestino

com Responsabilidade Social e Ambiental

Brasil substitui tecnologia importada para dessalinização de água

Posted by Mercedes em janeiro 11, 2008

 
 

Antonio Arrais
Agência Brasil
10/01/2008
O

Brasil poderá substituir em breve, em escala industrial, o material importado que é usado no processo de dessalinização de água salobra para o fornecimento de água doce ou potável a comunidades carentes na região do Semi-Árido nordestino.

Membrana de fibras

Para isso, pesquisadores do Laboratório de Referência em Dessalinização (Labdes) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba, desenvolveram um tipo de membrana, feita com fibras ocas, para dessalinizar a água retirada de poços artesianos. O projeto está em fase de consolidação para atingir, em 2008, o patamar de escala industrial.

O grupo de pesquisadores é coordenado pelo professor Kepler França, responsável pelo projeto de substituição do material importado pelo congênere nacional, desenvolvido desde agosto de 2004, em parceria com a Coordenação dos Programas de Pós-graduação de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Autonomia nacional

A pesquisa, segundo dados do CNPq fornecidos a partir de informações do professor Kepler França, “buscou estudos que favorecessem a situação de emergência para uma autonomia nacional, em termos de equipamentos necessários, principalmente no caso das membranas para dessalinizadores”.

Kleper França disse, por intermédio do CNPq, que foram estudados critérios “para viabilizar um maior acesso e a redução de custos das soluções técnicas já postas em vigor para o fornecimento de água potável a comunidades inseridas na região do semi-árido brasileiro, em especial no Nordeste”.

Osmose inversa

O processo desenvolvido pelo Labdes, explicou o professor, leva em conta uma tecnologia que possa ser adaptada às condições locais de cada região, tanto econômicas como socioculturais. Nesse caso, acrescenta, “o processo por osmose inversa tem sido o mais viável e utilizado em diversos países, desde o final da década de 1960”.

Nessa opção, em que a membrana obtida por meio de fibra oca é o material em fabricação na Paraíba que visa substituir o congênere importado, segundo o professor, os poços são perfurados na região e a água, geralmente salobra e de baixa qualidade, é retirada e submetida ao processo de osmose inversa por membrana.

O processo consiste, fundamentalmente, em pressurizar a água salobra, fazendo-a circular na superfície de membranas seletivas, acomodadas em módulos e que praticamente só deixam passar a água pura. O sal que sobra no processo é recolhido para descarte ou aproveitamento posterior, por exemplo, em tanques de criação de peixes.

Mortalidade infantil

O professor afirma que a conseqüência mais positiva é que a dessalinização da água salobra, transformada em água doce ou potável, pode trazer para a saúde, em especial para o combate à mortalidade infantil na região do Semi-Árido nordestino.

O município paraibano de Serra Branca, onde está centralizada a pesquisa, tem um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,662 e ocupa a 3.567ª posição no Brasil. Lá é alto o índice de mortalidade infantil: de cada mil crianças nascidas no município, 44 morrem antes de completar um ano de idade.

“Com esse projeto alcançamos impactos significativos na área de saúde e para a melhoria da qualidade de vida, com o consumo de água de boa qualidade, conseqüentemente contribuindo para a redução da mortalidade infantil e o combate ao baixo nível de desenvolvimento humano, social e econômico”, disse o professor Kleper França.

Semi-árido

Os dados e necessidades relativos à cidade de Serra Branca, segundo o coordenador da pesquisa, “são também um reflexo do que ocorre em diversos municípios do Semi-Árido brasileiro, revelando a necessidade urgente de melhoria de qualidade de vida da população dessas regiões”.

Ainda segundo os dados do professor Kleper França, repassados pelo CNPq, na década de 1990, com os avanços tecnológicos e os programas oficiais de apoio a municípios afetados pela seca, montadoras nacionais viabilizaram melhorias para as unidades de dessalinização, aproveitando a água salobra de poços já perfurados e transformando as unidades para capacidades de porte médio, de 2 mil a 5 mil litros por hora, mas usando tecnologia importada.

Fonte: Tecno Cientista.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: